O Caderno Vermelho | Paul Auster

O Caderno Vermelho

O Caderno Vermelho foi o livro certo na hora certa.

Sabe aquele momento da sua vida em que você se questiona sobre suas escolhas e as consequências delas? Quando a incerteza do amanhã bate à sua porta e te inquieta? Eu estava assim quando comecei a ler O Caderno Vermelho e como todo e qualquer livro ele não me trouxe respostas, mas de certa forma, me aliviou.

Em seu livro, Paul Auster nos leva à máxima de que se algumas coisas não tivessem dado errado, muitas outras não teriam dado certo. Irônico, eu sei. Mas a vida também não é?

A partir de pequenos acontecimentos cotidianos, vamos conhecendo um pouco mais sobre o próprio autor. Eventos rotineiros são contados de forma tão extraordinária que os fatos reais que ele afirma terem acontecido, acabam parecendo mera ficção.  A conexão que Paul Auster faz entre as histórias que conta ao acaso é o que mais nos surpreende. O que elas tem em comum? Talvez nada, ou tudo. Impossível dizer o que, ao certo, une todas as histórias contadas no livro. Mas uma coisa é certa, apesar de serem caoticamente organizadas, elas se conectam. De alguma forma estão ligadas entre si e é isso que sustenta toda a narrativa, a Conexão entre pequenas coisas independentes que podem, indiretamente, se tornarem divisores de águas em nossas vidas.

O livro é curto e dividido em 4 capítulos, se é que podemos chama-los assim. Num prisma de acontecimentos trágicos e engraçados, nos deparamos com coincidências das mais inacreditáveis como o fato de um pequeno acidente de carro que acabou salvando um vida ou um trauma de infância que transformou o autor num escritor.

Esses e tantos outros fatos contados de forma excêntrica me fizeram lembrar do filme Big Fish e de certa forma, vi o Paul Auster como o Ed Bloom e eu, no começo, me vi como seu cético filho Will. De alguma forma me neguei a ver o quão mágicas podem ser as coisas e ainda que pequenas, grandiosas. Basta escolhermos como queremos vê-las.

Teria O Caderno Vermelho me tornado uma otimista?

[+] O livro lido foi a edição de bolso da Companhia das Letras

[+] Leia um trecho do Livro em pdf.

Anúncios

Tags:, ,

About Tica

Feminista e membra da União de Mulheres de São Paulo, onde é coordenadora adjunta do Curso de Promotoras Legais Populares, projeto voltado para a educação popular e feminista em direitos. É Viciada em Lego, apaixonada por ficção científica, apocalipse zumbi e possui sérios problemas em procrastinar vendo gif's e não lembrar o nome das pessoas. No mundo real é advogada empresarial e artesã

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Ensaios de Gênero

Um espaço para se ensaiar política, educação, feminismo e coisas do gênero...

Feminismo Ráiot

música + feminismo + faça você mesma

Joanah Dark

Performance, Fotografia e Feminismo.

Café Feminista

Por Cely Couto

FeminismUrbana

Textos, artigos, imagens, quadrinhos, opiniões. A idéia é juntar quem está pensando as cidades na perspectiva feminista, no Brasil e na América Latina.

feminismosemdemagogiaOriginal

Blog da página Feminismo Sem Demagogia - Original

Alemão com Frau Santana

A Alemanha bem perto de você.

O Fim da Eternidade

(Isaac Asimov)

Colunas Tortas

mais que uma opinião

Marcha Mundial das Mulheres

Feminismo 2.0 até que todas sejamos livres!

Blogueiras Negras

"Quem não quer raciocinar é um fanático;quem não sabe raciocinar é um tolo; quem não ousa raciocinar é um escravo"

Quem o Machismo matou hoje?

No Brasil, quatro mulheres são assassinadas todos os dias vítimas da violência doméstica. Você sabe quem elas são?

%d blogueiros gostam disto: